CARTILHA

A Cartilha Educativa – CHAMA: Corpos Arvoredos Plurais – 6ª Mostra da Escola de Artes Visuais – Cefart/FCS é um material educativo que visa a produção e divulgação de ações educativas no campo da arte e da cultura. A publicação foi desenvolvida por professores e estudantes do Curso Básico de Arte-Educação da Escola de Artes Visuais e tem como objetivo fomentar a pesquisa, a reflexão e a construção de diálogos com a sociedade. Desde seu início, o curso desenvolve ações educativas direcionadas ao público. Este ano, o caráter inovador está na elaboração e publicação desse material educativo.

A Cartilha Educativa é constituída de quatro proposições. Dialogando com a CHAMA: Corpos Arvoredos Plurais – 6ª Mostra da Escola de Artes Visuais, exposição virtual que tem como objetivo desenvolver o tema “árvores e arvoredos”, seus diversos aspectos e como os corpos se relacionam com eles, a Cartilha apresenta ações educativas que buscam pensar a relação do homem com o meio ambiente, com o patrimônio, com as tecnologias e com a memória no nosso cotidiano. Nesse sentido, os conteúdos da Cartilha foram criados visando alcançar o público de diversas idades, principalmente no período de quarentena, devido à pandemia da Covid-19, mas também podem ser usados pelos professores do ensino formal como material educativo.

Para o público infantil, a proposta “Reflorestação (reflorestar + coleção)”  atende crianças de 5 a 8 anos. É um convite para observar a natureza em uma experiência de inventário, seja através da coleta de gravetos, gramas e folhas de diversos formatos, seja pela plantação de uma semente. Para isso, é preciso fazer um passo a passo seguindo as fases: coleção, frotagem e reflorestar.

Para o público adolescente, a partir de 14 anos, a Cartilha Educativa traz o convite de  “Bora se tecnoarborizar?”, subdividida em quatro propostas. A primeira, “Bora conhecer a cidade?”, tem como conceito a comparação entre as imagens da antiga paisagem da cidade de Belo Horizonte com a atual, oriundas de pesquisas fotográficas, tanto no site do Arquivo Público Mineiro quanto nos registros fotográficos pesquisados pelo adolescente dos mesmos lugares. Estes lugares podem ser encontrados em arquivos pessoais, sites na internet ou pesquisa no Google Street View. A atividade também pode ser realizada a partir dos arquivos de outras cidades. A segunda seria uma chamada para conhecer os universos das Pancs. Com o título de  “Bora conhecer as Pancs?”, a sugestão é que o adolescente investigue sua memória familiar e a relação das plantas com sua comunidade, utilizando a tecnologia de celulares através de aplicativos de reconhecimento. A terceira, o “Bora falar sobre consumismo?”, propõe uma reflexão sobre as diversas formas de consumo na sociedade globalizada. Como atividade, o jovem deve construir uma mini-exposição de memes com os amigos. E a quarta, “Sendo um Corpo Arvoredo”, sugere atividade relacionada ao tema da exposição e aos artistas homenageados do Acervo da FCS. Experimentando um filtro do TikTok,  o adolescente pode se tornar uma árvore digital.

Para o público adulto, o eixo “Natureza engarrafada: cada um na sua garrafa”, instiga reflexões ligadas ao momento de isolamento em que vivemos e a como os corpos podem se relacionar com a natureza nesse contexto. A proposta é que se crie um momento de desaceleração por meio de uma mediação entre o corpo, a casa e a natureza, chamando para a construção de um terrário em garrafa.

Seguindo o público adulto, porém pensando em um grupo específico, a proposta “Arvoredos: corpos plurais e a memória” se destina aos idosos. A ação educativa é um pedido de passagem para o tempo. Lembrar de uma história, ouvir uma música, ler um poema são experiências que essas atividades convocam, um convite de afeto.

Desenvolvido por estudantes e professoras do curso Básico de Arte-educação.

Estudantes: Abraão Veloso, Adriana Martins, Alberto Silva, Beatriz Fóscolo, Clarissa Tomasi, Dayane Melo, Desirée Kinoshita, Érika Lima, Fátima Silva, Gabriella Diniz Mansur, Julia Resende, Luciana Lage, Marúzia Moraes e Rozângela Gontijo.

Professoras: Ana Luiza Emerich, Clarissa d’Errico, Isa Carolina, Naiara Rocha Viana, Nathália Bruno e Mara Tavares.